garrafas pet

1 milhão de garrafas PET são vendidas por minuto no mundo

Garrafas PET: estatísticas divulgadas pelo The Guardian revelam o quão assombroso o problema se tornou

garrafas petGarrafas PET: Versáteis e econômicos, os plásticos facilitaram muitos avanços da sociedade ao longo do século passado. No entanto, alguns de seus usos atuais atingem números que beiram o insustentável.

A demanda global por garrafas de plástico, estimulada pela indústria de bebidas, é exemplo disso: a cada minuto, um milhão de garrafas plásticas são vendidas em todo o mundo; por ano, consumimos cerca de 500 bilhões delas. Os dados são de um levantamento da Euromonitor feito a pedido do jornal britânico The Guardian publicados pela Exame.

Embora seja verdade que muitas dessas embalagens poderiam e deveriam ser recicladas, está cada vez mais difícil acompanhar o grande volume de resíduo plástico produzido. O que acontece quando a equação não fecha? Grande parte do lixo indigesto acaba poluindo o meio ambiente, onde demora centenas de ano para se decompor.

Em 2016, o mundo comprou mais de 480 bilhões de garrafas plásticas de água. Menos da metade disso foi coletado e enviado para reciclagem. E apenas 7% delas encontraram uma segunda vida como garrafas novas. O resto ou seguiu para lixões e aterros sanitários ou foi poluir terra e mar.

Não faltam estudos recentes sobre a poluição dos oceanos por lixo plástico e seus efeitos nocivos sobre a vida marinha. O aumento da utilização de plásticos é de tal forma significativo que, em 2050, os oceanos terão mais detritos desse material do que peixes, alertou um relatório da Fundação Ellen MacArthur no Fórum Econômico Mundial no ano passado.

Em 2021, segundo estimativas da Euromonitor, o uso de garrafas plásticas de água aumentará para 583,5 bilhões de unidades. “Este aumento está sendo impulsionado por uma maior urbanização”, disse Rosemary Downey, chefe de embalagem da Euromonitor ao jornal. Em 2015, os consumidores na China, que puxam essa alta, compraram 68,4 bilhões de garrafas de água e em 2016 essa taxa aumentou para 73,8 bilhões.

“Existe um desejo de vida saudável e há preocupações contínuas sobre a contaminação das águas subterrâneas e a qualidade da água da torneira, que contribuem para o aumento do uso de água na garrafa”, disse ela. Índia e Indonésia também estimulam esse crescimento.

Inevitavelmente, o enfrentamento do problema das garrafas plásticas também exigirá melhorias na gestão hídrica no mundo, o que não reduz a importância de se repensar hábitos de consumo e produção envolvidos.

A maioria das garrafas de plástico usadas para refrigerantes e água são feitas de tereftalato de polietileno (Pet), que é altamente reciclável. Nos últimos anos, ativistas ambientais têm pressionado as empresas produtoras a usarem Pet reciclado para confeccionar novas garrafas, mas segundo a reportagem do The Guardian, há uma grande resistência à ideia por questões estéticas — garrafas recicladas não são tão transparentes quanto as produzidas com matéria-prima virgem.

GARRAFAS RETIRADAS DO MEIO AMBIENTE

A Trisoft se firma mais uma vez como a precursora de um mercado consciente e ultrapassar, este ano, o consumo de lã de PET equivalente a mais de 2 bilhões de garrafas retiradas do meio ambiente.

Na busca por um mercado mais sustentável, a Trisoft, que há 20 anos retirou completamente a água do processo produtivo e há mais de 5 anos usa fibras de garrafas PET como matéria prima se tornou a maior fabricante de itens com PET da América Latina. Hoje, são mais de 97 segmentos do mercado atendidos pela empresa. Este ano, o consumo de garrafas deve ultrapassar 650 milhões, completando um total de mais de 2 bilhões de garrafas PET – a Trisoft utiliza as garrafas já transformadas em fibra, o que ajuda a cadeia produtiva, desde os catadores, cooperativas, até as empresas que beneficiam o material para a indústria.

Veja mais sobre outros assuntos interessantes: isolamento acústico, isolamento térmico, isolante térmico, forro para colchões, lã de rocha, lã de vidro.