meio ambiente

Dia do Meio Ambiente: 5 dicas para deixar a casa mais ecológica e gastar menos nas contas de água e luz

Veja como otimizar o uso da energia e da água dentro de casa e rever pequenos hábitos que podem prejudicar o meio ambiente

A conta de luz corresponde a 17% do ganho mensal do brasileiro, segundo uma pesquisa de 2016 realizada pelo Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Além do impacto significativo nos gastos de casa, o desperdício de energia elétrica — bem como o de água, outra grande parcela do orçamento — tem grandes consequências ambientais, que vão desde o uso de fontes não-renováveis ao desabastecimento.

Nesta terça (5), em que se celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente, separamos cinco dicas para você adotar dentro de casa e ajudar a melhorar os dois cenários ao mesmo tempo, reduzindo consumo e impacto ambiental.

Confira as dicas!

Economize água no jardim e na lavanderia

Foto: Divulgação

Regar plantas ao meio-dia ou nos picos de temperatura faz com que a água se evapore mais rapidamente —logo, precisam de mais água para absorver o que precisam. Optar por regar plantas pela manhã ou no fim da tarde faz com que elas consigam reter mais água nas raízes.

Na área de serviço, não use a máquina de lavar roupas ou louças sem que estejam cheias, já que a quantidade de água e de energia usadas no processo será a mesma. Se houver essa opção, ative sempre o modo eco, que otimiza o uso.

Use lâmpadas de LED

Matéria sobre a certificação do Inmetro que passará a valer para as lâmpadas LED em dezembro. Explicamos o que muda e que benefícios isso trará para o consumidor. Imagens na Grey House Iluminação, que é uma das fontes da matéria. Fotografarmos as lâmpadas LED - acesas, em grupos, isoladas - para ilustrarmos a página. Lâmpada bulbo de led da direita para esquerda a Belinha Filamento led 2w, a Mini dicroica EVO 4w refletora, a Vela 4w E-27, a Dicroica 6w GU10, a Bulbo 9w E-27, a AR 70 GU10, a Refletora 7w EVO, a Dicroica 8CO EVO Refletora e a Par 20 6w E-27 LED.

Foto: Antônio More/Arquivo/Gazeta do Povo

Mais do que as lâmpadas fluorescentes, lâmpadas de LED gastammenos energia para iluminar mais o ambiente, já que têm maior potência. A vida útil mínima do LED varia conforme cada tipo de lâmpada, mas varia de 15 mil a 25 mil horas, contra 6 a 8 mil horas das fluorescentes.

Além disso, o LED tem a vantagem de não conter mercúrio na sua composição, substância prejudicial ao meio ambiente, já que contamina ecossistemas aquáticos e prejudica a vida marinha, dentre outros impactos. Com a economia de energia, o maior valor da lâmpada se paga tanto na conta de luz como no seu valor ambiental.

Regule o ar condicionados sem exageros

Foto: Divulgação

Temperaturas mais amenas no ar condicionado ajudam a garantir uma economia de energia significativa sem precisar de muito: 20ºC em vez de 17ºC ou 24ºC em vez de 26ºC já faz com que o aparelho trabalhe significativamente menos para garantir a climatização do ambiente, diminuindo a conta de luz.

Outras dicas relacionadas ao aparelho são manter os filtros sempre limpos e não desligá-lo quando sair do ambiente e quando a pausa não for longa — ele terá muito mais trabalho climatizando novamente o ambiente do que apenas mantendo a temperatura.

Faça compostagem caseira

Aprender a fazer compostagem em casa ajuda a reduzir o lixo orgânico. Foto: Reprodução/Pinterest

Grande parte da matéria orgânica descartada diariamente pode ser reaproveitada como adubo através da compostagem feita em casa. Além da economia no jardim, uma das vantagens da prática é  que os produtos da compostagem são húmus, água e gás carbônico. Em aterros sanitários, destinos mais comuns ao lixo orgânico, a decomposição gera o gás metano, extremamente poluente.

O processo leva em média três semanas para transformar o lixo em húmus e pode ser feito usando apenas potes plásticos, terra com minhocas e a própria matéria orgânica.

Aprenda aqui como fazer compostagem em casa.

Telhados verdes e painéis solares

agricultura-urbana

Instalação de painéis solares para geração de energia. Foto: The Urban Homesteaders / Divulgação

Soluções que otimizam um espaço geralmente obsoleto na casa, o telhado, também ajudam a controlar o gasto de energia. No caso das placas fotovoltaicas — os famosos painéis solares —, que aproveitam luz solar, elas geram para a residência um tipo de energia 100% limpa, com mínimo impacto ambiental e custo zero na absorção. Em países como o Brasil, com alta incidência de sol durante todo o ano, ela é extremamente vantajosa: uma vez feito o investimento na infraestrutura, ele logo dá retorno financeiro.

Já os chamados telhados verdes nada mais são do que uma camada de vegetação na cobertura. Uma construção com um telhado ecoeficiente diminui a troca energética entre o interior e o exterior, ou seja, traz mais conforto térmico para dentro de casa. Assim, não só a qualidade do ar melhora, como há uma redução da necessidade de uso de climatizadores internos como o ar condicionado.

A Trisoft e o Meio Ambiente

A Trisoft se firma mais uma vez como a precursora de um mercado consciente e visa ultrapassar, este ano, o consumo de lã de PET equivalente a mais de 2 bilhões de garrafas retiradas do meio ambiente.

Na busca por um mercado mais sustentável, a Trisoft, que há 20 anos retirou completamente a água do processo produtivo e há mais de 5 anos usa fibras de garrafas PET como matéria prima se tornou a maior fabricante de itens com PET da América Latina. Hoje, são mais de 97 segmentos do mercado atendidos pela empresa. Este ano, o consumo de garrafas deve ultrapassar 650 milhões, completando um total de mais de 2 bilhões de garrafas PET – a Trisoft utiliza as garrafas já transformadas em fibra, o que ajuda a cadeia produtiva, desde os catadores, cooperativas, até as empresas que beneficiam o material para a indústria.