lixo zero

Lixo zero: A beleza de um mundo sem lixo

Lixo zero: O que é exatamente lixo? Antigamente, o termo lixo designava tudo aquilo que restava das atividades humanas e que era tido como inútil ou sem valor.

lixo zeroLixo zero: Considerando que mais da metade do que nós geramos a cada dia é orgânico (restos de alimentos) e quase a totalidade da outra parte é de materiais recicláveis, o que se gera, afinal, não tem nada de lixo. Pelo contrário: são recursos valiosos, que quando transformados, geram renda para famílias, movimentam a economia e preservam os bens naturais. Isso porque o que é orgânico pode ser compostado, virando adubo, e o que é de vidro, plástico, papel ou metal pode voltar para a cadeia produtiva, formando novos produtos.

O movimento Juventude Lixo Zero Brasil (JLZ) nasceu da necessidade de engajar os jovens na temática dos resíduos sólidos. A iniciativa surgiu em 2011, quando Jéssica Sabatini, representando o Instituto Lixo Zero Brasil, palestrou em um congresso na Universidade de Lucca, na Itália. Lá, ela percebeu a presença majoritária de adultos na plateia. A partir de então, o Instituto, que tem sede em Florianópolis, criou a vertente jovem do movimento lixo zero.

O JLZ está presente em mais de 10 cidades brasileiras, como Porto Alegre, São José dos Campos, Joinville e Blumenau, e se espalhou para outros países, como Estados Unidos, Porto Rico, Nigéria, Filipinas, Serra Leoa, França, Romênia, Albânia e Hong Kong. Oficialmente, no logotipo, o movimento recebe o nome de Zero Waste Youth e em cada país, adiciona seu nome ao título, na imagem.

O Juventude Lixo Zero Brasil busca conscientizar, integrar e empoderar jovens na busca de soluções por um mundo sem lixo, atuando por meio de diversos projetos. Atualmente, são cinco: Eu Sou Lixo Zero, Ativismo Lixo Zero, Coletivo Lixo Zero, Debate Lixo Zero e Mapeamento Lixo Zero. Eles são desenvolvidos pelos embaixadores de cada cidade, que convidam pessoas para participar de ações e levam o movimento adiante. Qualquer um pode ser embaixador no seu município, de acordo com o Conexão Planeta .

Tornar-se lixo zero, no nosso dia a dia, é um processo, como tudo na vida. Você começa levando sua própria sacola ecológica para as compras e quando vê, já não sai de casa sem sua própria garrafa de água de material durável, um guardanapo de pano e seus potes para fazer compras a granel. E estas são só algumas das muitas atitudes que podemos ter em prol do lixo zero.

Entender que não existe “jogar fora”, pois tudo continua dentro do planeta Terra, abriu minha mente e e me fez passar a querer, mais e mais, a liberdade de viver e consumir conscientemente, sem prejudicar a “nossa grande casa” e sua bela biodiversidade, da qual fazemos parte.

Para nos ajudar no dia a dia, temos importantes aliados do conceito lixo zero, que são os 6 R’s:

Recusar o que pode gerar lixo (como segunda via do cartão de débito ou crédito, guardanapo de papel, copo plástico),

Reduzir a quantidade de rejeitos e de resíduos gerados,

Reutilizar e Reparar o que pode ser consertado,

Reintegrar à natureza pela compostagem e

Reciclar: devolver o resíduo à cadeia produtiva para ele ser transformado em novo produto.

De ação em ação, podemos diminuir nosso impacto negativo sobre o planeta, contribuindo para a preservação dos bens naturais e incentivando outras pessoas a mudarem seus hábitos.

A adoção de uma vida lixo zero passa por todos os setores do nosso cotidiano e nos permite fazer tudo que já fazemos, mas sem produzir lixo: higiene pessoal, limpeza da casa, alimentação em casa e na rua, passeios e muito mais.

Se você é jovem e acredita que podemos viver produzindo menos resíduos e rejeitos, convido você a se engajar nesta jornada por um mundo sem lixo!

Rejeitos, recicláveis e orgânicos

O conceito lixo zero (zero waste, em inglês) surgiu na década de 1970 em empresas da indústria química. Desde então, ele se espalhou para outros setores da sociedade ao redor do mundo.

No Brasil, pela Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305/2010, recicláveis e orgânicos são considerados resíduos sólidos, termo que denota potencial de reaproveitamento ou tratamento. Rejeito é o resíduo sólido que não pode ser reaproveitado ou tratado por falta de tecnologia ou porque não é economicamente viável. Na prática, é o único que deveria ir para o aterro sanitário. A PNRS não traz a palavra lixo.

O movimento lixo zero entende que não existe lixo, pois os resíduos orgânicos e recicláveis são, na verdade, recursos valiosos. A palavra lixo também pode ser aplicada à mistura de todos estes materiais, o que impossibilita – ou no mínimo, dificulta – sua recuperação. O conceito lixo zero, portanto, refere-se à separação correta dos resíduos para a destinação adequada e o máximo reaproveitamento, reduzindo o que é encaminhado para os aterros sanitários.